Quarteto Fantástico (2015) – Poderia ter sido mais Fantástico

Cinema | Quarteto Fantástico: 

Talvez a FOX devesse arriscar mais, tentar repetir o que fez com X-Men, só que dessa vez com o Quarteto Fantástico. Pois o que havia ali na tela do cinema era a mesma história, contada de outra maneira e mais sério que os antigos. Com o casting que haviam escolhidos, eles poderiam bem mais.

Cartaz - O Quarteto FantásticoFantastic Four é dirigido e roteirizado por Josh Trank (Poder Sem Limites, 2012) e  também escrito por Simon Kinberg (X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, 2014) e Jeremy Slater (Renascida do Inferno, 2015). Trilha sonora composta por Marco Beltrami (O Franco-Atirador, 2015) e Philip Glass (O Show de Truman, 1998). Cinematografia de Matthew Jensen (Poder Sem Limites, 2012). Com Miles Teller (Whiplash, 2014), Kate Mara (House of Cards, 2013-14), Michael B. Jordan (Poder Sem Limites, 2012), Jamie Bell (As Aventuras de Tintim, 2011), Toby Kebbell (Planeta dos Macacos: O Confronto, 2014) e Reg E. Cathey (House of Cards, 2013-15).

O Quarteto Fantástico 2

Sinopse Oficial: Quarteto Fantástico é uma versão nova e contemporânea do veterano time de heróis da Marvel. A trama foca em quatro jovens excluídos que se teleportam para um universo alternativo e perigoso que alterna as suas formas físicas de maneiras surpreendentes. Com suas vidas irrevogavelmente abaladas, eles precisam aprender a aproveitar as suas novas habilidades e trabalhar juntos para salvar a Terra de um antigo amigo transformado em inimigo.

Confesso que estava ansioso para conferir esse filme, não li a nenhuma HQ do quarteto e o que eu sei foram pelas minhas pesquisas. Mas vou começar a me aprofundar mais nessa família que tanto adaptam para o cinema e de forma errônea. Muito o que esperava para essa película foi o que eu vi na tela, achando que iria me surpreender, mas, não foi possível. Entre uma cena e outra algumas coisas interessantes surgiram, uma direção competente, numa atmosfera mais séria com efeitos visuais razoáveis e um roteiro bem raso.

O Quarteto Fantástico 5

Miles Teller é um ator muito bom que demonstrou seu talento, aqui é de fato o protagonista e que leva boa parte do filme. Faltou um pouco de química com  a atriz Kate Mara decorrente do enredo que pouco explorou os personagens. Kate assim como Miles também trás um trabalho competente, aquilo que consegue entregar com o que o roteiro apresenta. Michael B. Jordan e Jamie Bell entram no mesmo barco com a única diferença de que o Coisa é feito em Mocap, algo antes trabalhado por Jamie em outro filme e se tratando de um ator performático trás um trabalho conciso e bem apresentável. Do mais o elenco é reciclável, Reg E. Cathey tem aqui um trabalho introdutório de nos apresentar quem é Quarteto sendo que para a história existe pequenos furos nessa apresentação e conclusão do personagem.

Toby Kebbell faz o vilão Victor Von Doom o que não trás nada demais. Enquanto vemos ele antes da transformação, o ator é raso, sem objetivos e parece mais um moleque rebelde do que outra coisa. Quando se transforma no famoso Dr. Destino o que vemos é o velho clichê dos vilões que querem acabar com tudo, destruir a humanidade. Assemelha-se muito ao Ultron, com a diferença que aqui o papel do inimigo número um dos nossos heróis não obteve desenvolvimento nenhum.

O Quarteto Fantástico 3

Como informei logo no inicio, essa atmosfera dramática que teve ao longo do filme fora deveras interessante, tendo em contra partida os dois filmes anteriores que foram bem ruins nesse aspecto, onde deram uma cara satírica ao filme. No atual teve dramaticidade até demais e poucos alívios cômicos que poderiam ter sido melhor explorados.

Em contra partida as cenas de ação foram competentes na atual conjuntura, dando destaque a demonstração dos poderes. Há uma parte, por exemplo, em que Reed Richards para não ser reconhecido muda a sua própria face com seu poder de “elástico”. Todos eles possuem semelhanças aos quatro poderes da natureza, sendo eles: Terra (Coisa), Fogo (Johnny Storm), Ar (Sue Storm) e Água (Reed, por sua fluides nos movimentos). Essa demonstração teve um pouco de aproveitamento no filme.

O Quarteto Fantástico 4A trilha sonora não acrescenta muito a trama, são composições bem parecidas com os filmes dos X-Men. A cinematografia é simples e trás uma atmosfera realista dentro da trama como se os poderes tivessem uma explicação lógica. E o nos minutos finais vemos um vislumbre de quem é o Quarteto Fantástico, algo que deveria ter aparecido um pouco antes da metade do filme.

 

O Quarteto Fantástico

Nota---Cake

“Fantastic Four” é a mais nova tentativa da Fox para não perder os direitos do filme. Possuí uma nova cara, algo interessante, mas pouco aproveitado. Um grande elenco que foi mal utilizado, num pano de fundo que poderia bem mais. Infelizmente não é uma película para se ver no cinema, esperar na TV a cabo ou por outros meios acaba dando a você a mesma experiência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s