A Real Ficção de Azincourt de Bernard Cornwell

Crítica/Análise | Azincourt de Bernard Cornwell

A Batalha de Azincourt

Para um leitor hábil – Andei meio devagar para com as leituras (sou devagar ao ler algo) – Mas consegui terminar o meu primeiro Bernard Cornwell e por influência de um Jovem Nerd, me apaixonei por suas obras e pretendo continuar a ler. Mas essa obra em questão foi a primeira a gerar curiosidade em mim, seja pelo fato de ser uma ficção – mas ter um pano de fundo real – de uma guerra que aconteceu há muitos anos atrás. Com lutas politicas que é algo que chama a atenção hoje – Ainda mais depois do surgimento de Guerra dos Tronos – Sendo por esse motivo mais um grande autor por quem me apaixonei pela escrita. Nessa caso sendo a descrição da ação, seu forte na literatura.

Começamos pela história geral; o pano de fundo para a famosa Batalha de Azincourt da qual o exercito francês, mesmo com o maior número de soldados, perdeu para os poucos ingleses do outro lado. O que foi pura sorte, teve sim uma estratégia louvável, seja pelo ataque surpresa em volta de Tramencourt ou pelo uso dos arqueiros que eliminaram boa parte do primeiro exercito de ataque dos franceses.

Essa batalha foi apenas uma da grande Guerra dos Cem Anos, famoso período da história medieval que foi a maior inspiração de George R. R. Martin ao escrever a sua Cronicas de Gelo e Fogo. Para quem quiser saber mais sobre esse período, um bom começo é ouvir o Nerdcast sobre o tema no link a seguir:

NerdCast de História

NerdCast 392 | A Guerra dos 100 anos. Ou não…

Agora sobre a técnica de escrita mais a história ficcional do livro, vale ressaltar que é algo até então moderno. Você que está começando a ler agora não irá se deparar com um Senhor dos Anéis, pois a leitura de Cornwell é simples e fácil. Ele vai direto ao ponto. E seu maior trunfo é a descrição de batalha, pois entra de cabeça no combate sendo verdeiro na maneira como descrito. O que sempre foi natural dos romancistas trazerem uma certa poesia a esses eventos, contado a história de heróis honrados em meio ao campo de batalha – Isso é uma visão errada – Pois as guerras nunca foram e jamais serão belas.

Basta você assistir ao famoso filme Coração Valente ou até mais recente ao episódio nove de Game of Thrones: A Batalha dos Bastardos e verá o que se passa numa guera de verdade. Ou você sobrevive fazendo o pior ou morre como um homem honrado que tenta lutar de maneira justa. Não existe uma batalha da história travada de forma justa.

Existe uma passagem no livro que ilustra bem o que é ou não a justiça, mas que apesar de ser algo da parte “histórica”, talvez seja um spoiler, mas assim que ler e chegar a essa parte, saberá do que estou dizendo. Pois bem, pule o próximo paragrafo, caso não queira saber do que se trata.

E por falar nisso, spoilers são coisas engraçadas, pois num livro “histórico” é algo que vai de pessoa para pessoa. E sendo ou não algo real é real a maneira como o autor descreve tal passagem. Pois em dado momento os franceses capturados eram mantidos para que no futuro fossem soltos dependendo do valor do resgate, mas ao perceber que poderia ser um problema mante-los, pois nunca se sabe se voltariam a atacar o rei da Inglaterra manda mata-los, então não existiria honra ali.

Mas voltando aos “spoilers”, seria ruim eu contar as façanhas do personagem principal: Nicolas Hook que sendo o protagonista ou o narrador dos fatos, tem personalidade e uma história própria.

No ritmo das batalhas, siga o vídeo do NerdOffice sobre as 10 maiores batalhas e´picas do cinema e da TV…

Vale apena ler o final do livro, em que o autor explica mais sobre a batalha verdadeira e cita livros que o ajudaram na pesquisa – e do nome de pessoas reais, que foram alterados pelo escritor e que ganharam novas personalidades.

Agora sua narrativa, assim como nas batalhas, sempre será descritiva – Como os arqueiros em que você sente como é lançar uma fecha –  O autor consegue te manter emersivo na leitura. Você consegue sentir-se na pele do heróis e odiar as pessoas ao redor dele. Você torce por Hook e é um exemplo de como Bernard Cornwell segue a jornada do herói, apesar de diferenciar seus livros.

Azincourt é um ótimo livro e o melhor para quem quer começar a ler Cornwell. Fácil de manter a literatura e ao mesmo tempo com uma história que pode lhe ajudar a estudar (ou começar). Está disponível nos maiores sites virtuais em preços realmente acessíveis.

Para maiores informações, acesso o canal e veja a análise em vídeos, mais um recadinho legal para quem quer começar a ler e embarcar nesse universo literário.

Notas: By Nerding About & Skoob 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s